A comunicação refere-se à troca e partilha de mensagens através da fala, de gestos, da escrita e/ou de símbolos. Nas crianças, a comunicação assume especial importância uma vez que é através dela que a criança adquire e desenvolve diversas competências nomeadamente cognitivas e linguísticas, como a construção da sua identidade em contexto social.

Comunicar está inerente ao ser humano independentemente da condição cognitiva, física e/ou sensorial. De entre os diversos fatores que a colocam em risco e que, por sua vez, condicionam o desenvolvimento típico da fala e da linguagem na criança, destacam-se os que impossibilitam a criança de utilizar a oralidade como forma preferencial para comunicar. Neste sentido, a criança manifesta necessidade de utilização de um meio alternativo de comunicação não oral, que tem como objetivo adaptar-se às capacidades e necessidades da mesma.

A comunicação aumentativa e alternativa tem como objetivo compensar, permanentemente ou temporariamente a perturbação comunicativa, qualquer que seja a sua origem. Esta inclui todas as formas de comunicação e destina-se a compensar e facilitar os prejuízos e incapacidades dos indivíduos com graves perturbações da comunicação, que necessitam de um sistema aumentativo e alternativo de comunicação

Os sistemas aumentativos e alternativos de comunicação dizem respeito a um conjunto de técnicas, estratégias e ajudas, que facilitam a comunicação de pessoas com dificuldades na comunicação, reforçando o desenvolvimento da linguagem. Estes sistemas possibilitam à criança a autonomia para expressar desejos, interesses e sentimentos, dão a possibilidade de comunicar um número de vezes superior, podendo fazer uma abordagem diversificada, num leque mais variado sobre inúmeros temas.